Dados: a importância no processo seletivo

O número de consultorias de recrutamento e seleção não para de crescer no Brasil. Dados disponíveis em uma breve pesquisa no Google são o suficiente para comprovar que o setor de Recursos Humanos segue a todo vapor por aqui, principalmente pelo “boom” da área de tecnologia nos últimos anos.

Um estudo do Observatório da Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério do Trabalho, revelou dados de que 122 mil novas vagas foram criadas no segmento tech do país em 2021. 

A alta nas vagas de emprego resultou em uma demanda crescente de recrutadores. Por isso, se destacar no mercado se tornou o maior desafio das consultorias. Afinal, existem várias consultorias em atividade e algumas delas não se baseiam em dados para realizar um processo tão importante como o de recrutamento e seleção.

Um cenário preocupante, já que a falta de dados compromete a entrega dentro dos prazos e padrões de qualidade esperados pelo cliente, o que contribui para que as empresas enxerguem erroneamente as consultorias, resumindo-as a uma triagem de currículos. A Kaptas entende a importância de ser consultiva e ter dados no processo seletivo.

 

Consultorias que utilizam dados são mais estratégicas
Consultorias que utilizam dados são mais estratégicas

 

“O único jeito do RH deixar de ser reativo e ser estratégico dentro de uma empresa é quando o setor consegue ter dados para agir preditivamente e olhar para frente”, comenta Gustavo Arantes, co-founder da Kaptas. 

No artigo de hoje, você vai descobrir os dados que a Kaptas levanta no processo seletivo e disponibiliza para os clientes.

 

Quais dados a Kaptas fornece no processo seletivo?

 

1- Funil e conversões

É comum encontrar muitas empresas que não conseguem mensurar informações importantes sobre os próprios dados porque se organizam através das famosas planilhas ou em softwares de ATS (abreviação para “Applicant Tracking System” ou “Sistema de Rastreamento de Candidatos” em português) que não são completos.

É aí que a Kaptas entra em cena com uma entrega que engloba vários dados, o primeiro deles sendo o funil da vaga, e apresenta todas as etapas do processo seletivo desenhadas: número de abordados, pré-entrevistados, entrevistados, enviados e entrevistados pelo cliente. Em cada

uma dessas etapas, ocorrem conversões.

Confira um exemplo para facilitar o entendimento!

A equipe responsável pela seleção de talentos abordou 116 pessoas, conseguiu falar com 88 e apenas 10 manifestaram interesse pela vaga. Ou seja, 78 pessoas desistiram antes mesmo do processo seletivo acontecer. O que aconteceu para tanta gente não cogitar essa empresa?

Pode ser a faixa salarial, o modelo de trabalho ou a cultural organizacional da empresa, por exemplo. Cabe à Kaptas identificar o problema, compreendê-lo e repassá-lo ao cliente. Dessa forma, a consultoria consegue gerar valor, passando a ter dados e conversas estratégicas com o cliente.

 

2- Prazos e SLA (Service Level Agreement)

O plano de abordagem também é regra para um funil bem estruturado. Sendo assim, a Kaptas desenvolveu uma metodologia de trabalho com dados internos para garantir o SLA (abreviação para “Service Level Agreement” ou “Acordo de Nível de Serviço” em português), que funciona com uma prazo de entrega, combinado com o cliente.

Trouxemos um exemplo!

A empresa quer fechar uma vaga em 10 dias e o time de recrutadores leva em torno de 3 dias para começar a entrevistar os talentos triados. Para que o prazo seja cumprido, é fundamental ter um número X de abordagens estabelecido para cada dia. Caso contrário, a performance será comprometida.

“É um efeito dominó. Não vai dar problema hoje, mas semana que vem eu vou ter um número menor de entrevistas e, consequentemente, um número menor de candidatos aprovados. A importância de trabalhar com dados é a previsibilidade desses cenários”, complementa Gustavo.

 

Dados são importantes para um RH mais rápido e assertivo
Dados são importantes para um RH mais rápido e assertivo

 

3- Métrica NPS (Net Promoter Score)

Outro ponto indispensável são os dados estratégicos para o cliente da percepção do candidato em relação ao processo seletivo, o que está acontecendo, como a marca está sendo vista pelo mercado (Employer Branding), entre outros levantamentos. A Kaptas realiza uma pesquisa de satisfação com os talentos no processo seletivo para avaliar a métrica NPS (abreviação para “Net Promoter Score”).

Para isso, é questionado o quanto de 0 a 10 o talento ficou encantado com a pessoa recrutadora e com a direção da empresa, o quanto recomendaria o cliente para amigos e familiares, que é a pergunta clássica de NPS e, por último, o quanto está disposto a participar de novo de um processo seletivo deste cliente.

Se a Kaptas está trabalhando 10 vagas da mesma gestão e tem 30 avaliações desse modelo de entrevista, por exemplo, o resultado é um feedback robusto para o DHO (Desenvolvimento Humano e Organizacional). 

“Dessa forma, a gente consegue atuar no RH como um todo, podendo impactar até a área de treinamento e admissão, por exemplo. Se você tem um talento que declinou de um processo seletivo e recebe um feedback com as razões do declínio, é muito mais fácil resolver o problema”, diz Gustavo.

 

4- Dados de processo

Diferentemente de muitas consultorias, a Kaptas não trabalha com ATS, mas direto com o Salesforce, uma plataforma de CRM (abreviação para “Customer Relationship Management” ou “Gestão de Relacionamento com o Cliente” em português) integrada e que oferece uma visão única de cada cliente. 

Esse sistema permite a identificação de gargalos no processo seletivo. Quando a Kaptas olha o funil da vaga e percebe que diversos talentos desistem da entrevista com a pessoa X, vem o questionamento: por que essa pessoa tem sido um gargalo? Ela está demorando muito para entrevistar? A conversa não tem sido agradável? 

Se o cliente tem uma pessoa na direção da empresa com dificuldade de agendar entrevistas, a vaga precisa de outros gestores ou a Kaptas precisa solicitar uma disponibilidade na agenda dessa pessoa para entrevistar os candidatos. “A gente sempre vai olhar o processo para identificar gargalos e tentar saná-los ou minimizá-los”, finaliza Gustavo.

 

Por dentro dos serviços oferecidos pela Kaptas

 

A Kaptas trabalha com 5 tipos diferentes de soluções e todas elas também podem ser aplicadas para empresas internacionais. Isso porque contamos com um time de recrutadores com expertise para recrutar talentos no mundo inteiro. Veja abaixo uma breve descrição sobre o serviços e para mais informações, clique aqui.

 

A Kaptas trabalha com 4 tipos de dados no processo seletivo
A Kaptas trabalha com 4 tipos de dados no processo seletivo

 

Consultoria especializada

 

Vagas Pontuais: precisão e velocidade de entrega no processo seletivo da sua empresa.


Long List:
ciclo de 21 dias com a entrega de 4 profissionais qualificados e interessados na sua empresa.


Talent Pool:
mapeamento pró-ativo de mercado para a criação de um banco de talentos aderente com a sua empresa.

 

Projetos exclusivos

 

RPO (Recruitment Process Outsourcing): gestão dos profissionais da sua empresa e responsabilidade por toda a qualidade e entrega do serviço contratado.


Alocação:
gestão dos profissionais dentro da sua empresa com ferramentas de trabalho exclusivas e acesso a mais de 115 mil profissionais.

 

Como levantar dados no processo seletivo da minha empresa

 

É fácil! Você só precisa clicar aqui e entrar em contato com a time Kaptas para escolher a solução ideal para evoluir o RH da sua empresa e contratar os talentos certo para alcançar ótimos resultados.

Fique de olho que estamos preparando mais artigos exclusivos para auxiliar a sua jornada profissional e aproveite para conferir as nossas redes sociais aqui!

Fique por dentro das novidades!

Inscreva-se na nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos e informações importantes para o recrutamento da sua empresa.